Análise dos determinantes da sustentabilidade dos municípios do Estado de Mato Grosso

Autores

  • Adonnay Martins Barbosa Universidade Federal de Mato Grosso
  • Luís Otávio Bau Macedo Professor Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Palavras-chave:

Meio Ambiente e Desenvolvimento, Indicador de Sustentabilidade, Análise Fatorial, Mato Grosso

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar os fatores determinantes do desenvolvimento sustentável dos municípios do Estado de Mato Grosso. Para tanto, empregou-se como procedimentos metodológicos o Índice de Desenvolvimento Sustentável Municipal (IDSM) ajustado e a análise fatorial. Os resultados do IDSM ajustado demonstraram que nenhum município foi classificado em escala ideal de sustentabilidade, 2,84% alcançaram nível aceitável e 97,16% dos municípios obtiveram nível de alerta de sustentabilidade. A análise fatorial indicou que as variáveis são agrupadas em noves fatores, sendo que o fator “condições básicas de subsistência” foi responsável por 49,17% da variância amostral total. Esses resultados evidenciam que o estado de Mato Grosso, apesar da narrativa defendida pelas entidades do agronegócio, de ser uma “terra de oportunidades”, caracteriza-se por municípios com baixo nível de desenvolvimento sustentável, requerendo a priorização de políticas públicas voltadas à ampliação da oferta de serviços básicos, tais como saúde, educação e saneamento básico.

Referências

AGENDA 21., 1995. Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o desenvolvimento. Brasília: Câmara dos Deputados, p. 98.
BUARQUE, S. C., 2008. Construindo o desenvolvimento local sustentável. 4° ed. Rio de Janeiro: Garamond.
CAMARGO, A. L. B., 2003. Desenvolvimento Sustentável: Dimensões e desafios. Campinas: Papirus.
CMMAD. Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento., 1998. Nosso Futuro Comum. 2° ed. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas.
HAIR, J. F; ANDERSON, R. E; TATHAM, R. L; BLACK, W. C., 2009. Análise Multivariada de Dados. 5° ed. Porto Alegre: Bookman.
HAQUE, M. S., 2000. Environment discourse and sustainable development: linkages and limitations. Ethics and the Environment Vol. 5(1): 3-21.
IGBE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística., 2015. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Brasil. Rio de Janeiro: IBGE.
IMEA. Instituto Mato-Grossense de Economia e Agropecuária. Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso-2017. Disponível em: < http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/19122017183934.pdf>. Acesso em 18 de janeiro de 2018.
LAGO, A; PÁDUA, J. A., 1984. O que é ecologia. São Paulo: Brasiliense.
MARTINS, M. F; CÂNDIDO, G. A., 2008. Índice de Desenvolvimento Sustentável – IDS dos estados brasileiros e dos Municípios da Paraíba. João Pessoa: Edições SEBRAE.
MEADOWS, D. H; MEADOWS, D. L; RANDERS, J., 2007. Limites do crescimento: a atualização de 30 anos. Rio de Janeiro: Qualitymark, p.203.
MINGOTI, S. A., 2005. Análise de Dados Através de Métodos de Estatística Multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 55.
MULLER, M. L., 2006. Vittorio Hosle: uma filosofia da crise ecológica. Cadernos de História e Filosofia da Ciência: Campinas Vol. 6(2).
PIGNATI, W. A., 2007. Os riscos, agravos e vigilância em saúde no espaço de desenvolvimento do agronegócio no Mato Grosso. Tese de Doutorado. Fundação Oswaldo Cruz/FIOCRUZ.
ROMEIRO, A. R., 2010 Economia ou economia política da sustentabilidade, em MAY, P. H; LUTOSA, M. C; VINHA, V. (Org.). Economia do meio ambiente: teoria e prática. 2° ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p.10.
SACHS, I., 1993. Estratégias de transição para o século XXI: Desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Nobel, p. 110.
________., 2007 Rumo a ecossocionomia: teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez.
SASAHARA, C., 2009. Sustentabilidade: a perda do caráter de mudança estrutural do conceito. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo.
SOUSA, E. M. A., 1994. Desenvolvimento sustentável: um marco conceitual para o Àridas. Recife: Mimeo.
SCHUMPETER, J. A., 1997. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Editora Nova Cultura, p.74.
VASCONSELO, A. C. F; CÂNDIDO, G. A., 2011. Índice de Desenvolvimento Sustentável Participativo: Uma aplicação ao caso do município de Cabeceiras-PB. Capital Científico: Guarapuava Vol. 9(2): 83-97.
VEIGA, J. E., 2010. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Editora Garamond, p.52.
WAQUIL, P. et al. Avaliação de desenvolvimento territorial em quatro territórios rurais no Brasil. Redes Vol. 15(1): 104-127.

Publicado

2020-02-22