CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA HEGEMONIA DE ATIVIDADE PÓS-EXTRACTIVA: Análise com ênfase do agronegócio na Argentina

Autores

  • Juan Carlos Travela Universidad Nacional de Quilmes

Palavras-chave:

Extrativismo, Agronegócio

Resumo

Consolidação nas últimas décadas na América Latina de um modelo de desenvolvimento baseado na lógica extrativista (Gudynas, 2012), nos permite colocar em causa a existência futura da nossa sociedade por causa dos efeitos negativos resultantes sobre o meio ambiente.

Assim, embora seja pós-fordismo o período em que os Estados avançado em relaxamentos, desregulamentações e minimização dos padrões ecológicos em termos de otimizar a sua posição na competição internacional (Hirsch, 1999), é durante o período pós-neoliberal que mantém e reafirma nossa região um modelo de desenvolvimento que implicou a reprimarização da economia (Svampa e Viale, 2014).

Na mesma linha, Gudynas (2012) caracteriza este modelo como neo-extrativista, e afirma que só pode ser sustentada através de consenso sobre uma grande parte da sociedade, que ainda mantém em sua imaginação a idéia da região como o proprietário de grande riquezas naturais que devem ser intensamente exploradas.

Por esta razão, tomando como modelo de consolidação análise caso do agronegócio na Argentina, o objetivo deste trabalho é gerar contribuições que nos permitem pensar em construir novos consensos onde as atividades econômicas estão subordinadas às suas chances de ser ambientalmente sustentável .

Biografia do Autor

Juan Carlos Travela, Universidad Nacional de Quilmes

Lic. en Comercio Internacional y Doctorando en Desarrollo Económico de la Universidad Nacional de Quilmes
(UNQ). Integra el proyecto de investigación "Innovación tecnológica y social en la promoción del derecho a la
ciudad de la sociedad del conocimiento" que dirige la Dr. Ester Schiavo radicado en la UNQ, donde además ha
participado como docente invitado en la materia Dinero, Crédito y Bancos, e Introducción al Urbanismo. A su vez,
se desempeña como consultor en la Unidad para el Cambio Rural (UCAR) del Ministerio de Agroindustria.

Publicado

2020-07-11