REVIBEC - REVISTA IBEROAMERICANA DE ECONOMÍA ECOLÓGICA https://redibec.org/ojs/index.php/revibec <p style="text-align: justify;">A Revista Ibero-Americana de Economia Ecológica, REVIBEC, é a revista oficial da REDIBEC, e pretende tornar-se uma referência acadêmica, pelo alto nível científico de seus conteúdos e pelo interesse dos temas tratados, o que contribui para a consolidação da Economia ecológica como abordagem científica na região.</p> <p style="text-align: justify;">A Revista Ibero-Americana de Economia Ecológica, REVIBEC, é uma publicação da Rede Ibero-Americana, REDIBEC criada para publicar e disseminar obras originais de interesse para a região em termos de desenvolvimento e meio ambiente.</p> <p style="text-align: justify;">Paradoxalmente, o advento das novas tecnologias da informação não levou ao declínio esperado na desigualdade de acesso à informação científica. Pelo contrário, essas desigualdades foram exacerbadas, em parte graças ao papel das editoras, que privatizam as informações cuja geração não financiaram. Em resposta, o Ibero-American Journal of Ecological Economics junta-se a outras iniciativas que buscam democratizar o acesso ao conhecimento acadêmico de alto nível através de novas ferramentas informáticas.</p> <p style="text-align: justify;">Revista Indexada em Latindex, Economistas Online, revistas eletrônicas, DOAJ, RePEc, Dialnet, RACO, DDD e logo em IN-RECS.</p> <p style="text-align: justify;">ISSN: 2385-4650</p> REDIBEC pt-BR REVIBEC - REVISTA IBEROAMERICANA DE ECONOMÍA ECOLÓGICA 2385-4650 Economia política da água na China e no Brasil: algumas reflexões https://redibec.org/ojs/index.php/revibec/article/view/vol35-2-1 <p>A apropriação desigual do solo vem transformando recursos essenciais, como água, ar e solo, em objetos de disputa estratégica e geopolítica das nações. A República Popular da China (RPC) faz parte dos agentes desta economia política da água. Embora o Brasil abrigue importante parcela da disponibilidade hídrica global, a gestão hídrica tem ganhado espaço na agenda política. O Brasil aparece como importante fornecedor de <em>commodities</em> e como reservatório de recursos naturais. Este trabalho investiga como tem sido a gestão dos recursos hídricos na China frente a escalada da degradação dos seus ecossistemas e o aumento da demanda hídrica, e como a sua experiência pode aportar algumas reflexões para o Brasil. A análise apresenta um contraponto com a gestão hídrica brasileira e seus desafios a partir de uma abordagem baseada em uma Economia Política da Água. As principais lições da RPC para o Brasil para aprimorar a gestão hídrica são: dinamismo nos planos de investimentos; importância da atuação do Estado, do papel da demanda hídrica e da tecnologia; reconhecimento dos limites naturais.</p> Junior Garcia Demian Castro Niklas Werner Weins Copyright (c) 2022 REVIBEC - REVISTA IBEROAMERICANA DE ECONOMÍA ECOLÓGICA 2022-03-31 2022-03-31 35 2 1 19 A Transição alimentar no México https://redibec.org/ojs/index.php/revibec/article/view/vol35-2-2 <p>A emergência sanitária causada pela infecção pelo vírus SARS-CoV-2 revelou uma realidade que se fermentava há décadas no país e em várias regiões do mundo: as consequências para a saúde de um modelo alimentar baseado na lógica de mercado. Neste trabalho estudamos a transição alimentar e seus impactos socioambientais. Com base nas informações obtidas da Comissão Nacional de Águas (CONAGUA), da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (ENSANUT), do Instituto Nacional de Geografia Estatística e Informática (INEGI), do Serviço de Informação Agroalimentar e Pesqueira (SIAP) e da Economia Global, a pesquisa, de natureza correlacional, aborda as sinergias existentes entre o modelo econômico neoliberal mexicano de alimentos e a crise sanitária e ambiental.</p> Salvador Peniche Camps Martin Romero Pedro Chávez Gómez Copyright (c) 2022 REVIBEC - REVISTA IBEROAMERICANA DE ECONOMÍA ECOLÓGICA 2022-07-26 2022-07-26 35 2 20 36 Impactos Ambientais e Investimentos em Abastecimento de Água no Brasil https://redibec.org/ojs/index.php/revibec/article/view/vol35-2-3 <p>Este estudo pretende avaliar se os investimentos em abastecimento de água no Brasil são influenciados por situações ambientalmente inadequadas associadas ao saneamento básico, refletidas em perdas de água e saúde, e se os investimentos amenizam tais problemas. Para tanto, realiza-se uma análise econométrica com modelos de Vetores Autorregressivos (VAR) para dados anuais de 1995 a 2019. Os resultados sugerem que as decisões dos prestadores de investirem em abastecimento de água são influenciadas mais pela expansão das redes de abastecimento aos usuários do que por questões ambientais. As evidências mostram, ainda, que os investimentos contribuem para a redução das externalidades ambientais refletidas na morbidade relacionada ao saneamento, mas não amenizam problemas na provisão que resultam em perdas, as quais podem levar à exaustão de fontes de recursos hídricos. </p> Regiane Lopes Rodrigues Carlos César Santejo Saiani Michele Polline Veríssimo Copyright (c) 2022 REVIBEC - REVISTA IBEROAMERICANA DE ECONOMÍA ECOLÓGICA 2022-07-26 2022-07-26 35 2 37 54