Desenvolvimento Humano Sustentável no Brasil: interação entre bem-estar social e saúde ambiental

Autores

  • Renata Benício de Oliveira Universidade Regional do Cariri (URCA)
  • Eliane Pinheiro de Sousa Universidade Regional do Cariri (URCA)

Palavras-chave:

Sustentabilidade Ambiental, IDHMS, Desenvolvimento Humano, Estados Brasileiros, Análise Fatorial

Resumo

Embora o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) seja uma medida de referência para os governantes, auxiliando na construção e execução de políticas públicas, apresenta deficiências, já que não capta a sustentabilidade ambiental. Nessa perspectiva, este estudo objetiva mensurar o nível de desenvolvimento humano dos estados brasileiros mediante a incorporação da sustentabilidade ambiental, resultando no Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Sustentável (IDHMS). Para tal, realizou-se uma média geométrica das dimensões tradicionais do IDHM (longevidade, educação e renda) com o Índice de Sustentabilidade Ambiental (ISA), sendo que este último foi obtido por meio da análise fatorial pelo método dos componentes principais. Os resultados evidenciaram uma diferença expressiva entre o IDHM e do IDHMS, indicando que as unidades federativas estão promovendo o bem-estar social a um custo elevado sobre o meio ambiente, o que pode ser associado a um intenso desordenamento quanto ao uso dos recursos naturais.

Referências

Anand, S. e A. Sen, 1994. Sustainable Human Development: Concepts and Priorities. UNDP Human Development Report Office Occasional Papers.

ANDA – Associação Nacional para Difusão de Adubos. Anuário Estatístico do Setor de Fertilizantes 2014. São Paulo: ANDA, 2015.

Antunes, M. A., 2010. Da medida do desenvolvimento ao Índice de Desenvolvimento Humano Ponderado Sustentável: o caso de Moçambique. Fluxos & Riscos, n.1: 93-110.

Arruda, C. S., 2010. Índice de Desenvolvimento Sustentável e agronegócio nos municípios do estado de Goiás: uma análise multivariada. Dissertação (Mestrado em Agronegócio). Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiás.

Barreto, M. S., 2011. Índices de desenvolvimento, padrão de consumo e bem-estar: uma análise sob a ótica da sustentabilidade forte. Dissertação (Mestrado em Economia). Universidade Federal Fluminense.

Barreto, M. S., 2015. A sustentabilidade do desenvolvimento humano. In: PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada; Fundação João Pinheiro. Prêmio Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil: coletânea de artigos. Brasília: PNUD, IPEA, FJP.

Blancard, S. e J-F., Hoarau, 2013. A new sustainable human development indicator for small island developing states: A reappraisal from data envelopment analysis. Economic Modelling, v. 30: 623-635.

Carneiro Neto, J. A. Andrade, E. M., Rosa, M. F., Mota, F. S. B. e J. F. B. Lopes, 2008. Índice de Sustentabilidade Agroambiental para o Perímetro Irrigado Ayres de Souza. Ciência e Agrotecnologia, v. 32, n. 4: 1272-1279.

Carvalho, J. R. M., Curi, W. F., Carvalho, E. K. M. A. e R. C. Curi, 2011. Proposta e validação de indicadores hidroambientais para bacias hidrográficas: estudo de caso na sub-bacia do alto curso do Rio Paraíba, PB. Sociedade & Natureza, n. 2: 295-310.

Chansarn, S., 2014. The evaluation of the Sustainable Human Development: a cross-country analysis employing slack-based DEA. Procedia Environmental Sciences, v. 20: 3-11.

Costantini, V. y S. Monni, 2005. Sustainable Human Development for European Countries. Journal of Human Development and Capabilities, v. 6, n. 3: 329-351.

Debali, J. C., 2009. Desenvolvimento sustentável: evolução e indicadores de sustentabilidade. Monografia (Graduação em Ciências Econômicas). Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis.

Esty, D. C., Levi, M., Kim, C. H., Sherbinin, A., Srebotnjak, T. e V. Mara, 2008. 2008 Environmental Performance Index. New Haven: Yale Center for Environmental Law & Policy.

Esty, D. C., Levi, M. A., Srebotnjak, T., Sherbinin, A., Kim, C. H. e B. Anderson, 2006. Pilot 2006 Environmental Performance Index. New Haven: Yale Center for Environmental Law & Policy.

Esty, D. C., Levi, M., Srebotnjak, T. e A. Sherbinin, 2005. Environmental Sustainability Index: Benchmarking National Environmental Stewardship. New Haven: Yale Center for Environmental Law & Policy.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L. e B. L. Chan, 2009. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Frainer, D. M., Souza, C. C., Reis Neto, J. F. e R. A. Castelão, 2017. Uma aplicação do Índice de Desenvolvimento Sustentável aos municípios do estado de Mato Grosso do Sul. Interações, v. 18, n. 2: 145-156.

Furtado, F. R. G. e R. C. Furtado, 2017. Usando a análise fatorial para construir e validar um índice de inserção regional sustentável de usinas hidrelétricas. Revista Espaço Acadêmico, n. 191: 04-11.

Guimarães, L. T., Turetta, A. P. D., e H. L. C. Coutinho, 2010. Uma proposta para avaliar a sustentabilidade da expansão do cultivo da cana-de-açúcar no Estado do Mato Grosso do Sul. Sociedade & Natureza, v. 22, n. 2: 313-327.

Guimarães, R. P. e S. A. Q. Feichas, 2009. Desafios na construção de indicadores de sustentabilidade. Ambiente & Sociedade, v. 12, n. 2: 307-323.

IBGE – INSITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável – Edição 2017. Acessível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ids/tabelas.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico. Acessível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Sinopse/Brasil/sinopse_brasil_tab_1_4.zip.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produção Agrícola Municipal 2014. In: Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

IBGE – INSITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produto Interno Bruto dos Municípios. Acessível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html?=&t=downloads.

INPE – INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS, CPTEC – CENTRO DE PREVISÃO DE TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS. Queimadas: monitoramento de focos. Acessível em: http://www.dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas.

Ivanov, A. e M. Peleah, 2017. Sustainable Development Human Index – a pragmatic proposal for monitoring sustainability within the affordable limits. In: IARIW - Bank of Korea Conference, Seoul, Korea.

Lopes, F. B., Andrade, E. M., Aquino, D. N. e J. F. B. Lopes, 2009. Proposta de um índice de sustentabilidade do Perímetro Irrigado Baixo Acaraú, Ceará, Brasil. Revista Ciência Agronômica, v. 40, n. 2: 185-193.

Maccari, N., 2014. Environmental Sustainability and Human Development: A Greening of Human Development Index. Acessível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2426073.

Martins, A. R. P., Ferraz, F. T. e M. M. Costa, 2006. Sustentabilidade Ambiental como Nova Dimensão do Índice de Desenvolvimento Humano dos Países. Revista do BNDES. Rio de Janeiro, v. 13, n. 26: 139-162.

Menezes, D. B. e A. J. Possamai, 2015. Desenvolvimento humano e bem-estar urbano nas regiões metropolitanas brasileiras: proposta de um novo indicador sintético. In: 1° Seminário Internacional de Ciência Política, Porto Alegre, RS.

Moran, D. D., Wackernagel, M., Kitzes, J. A., Goldfinger, S. H. e A. Boutaud, 2008. Measuring sustainable development – nation by nation. Ecological Economics, v. 64, n. 3: 470-474.

Neumayer, E., 2001. The Human Development Index and Sustainability – A constructive proposal. Ecological Economics, v. 39, n. 1: 101-114.

Nourry, M., 2008. Measuring sustainable development: Some empirical evidence for France from eight alternative indicators. Ecological Economics, v. 67, n. 3: 441-456.

Oliveira, W. F., 2013. Índice de Desenvolvimento Humano e Pegada Ecológica: uma proposta de integração. In: 16° Encontro Regional de Economia da Região Sul, Porto Alegre, RS.

Peleah, M. e A. Ivanov, 2013. Development that lasts: The Affordable Human Development Index. Working Paper, n. 16.

Pereira, M. S., Sauer, L. e M. B. B. Fagundes, 2016. Mensurando a sustentabilidade ambiental: uma proposta de índice para o Mato Grosso do Sul. Interações, v. 17, n. 2: 327-338.
PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada; Fundação João Pinheiro, 2013. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro. Brasília: PNUD, IPEA, FJP.

Ray, M., 2014. Redefining The Human Development Index to Account for Sustainability. Atlantic Economic Journal, v. 42, n 3: 305-316.

Reolom, M., 2014. Banho consome mais do que o sugerido pela ONU. Exame. Acessível em: https://exame.abril.com.br/brasil/banho-consome-mais-do-que-o-sugerido-pela-onu.

SEEG - SISTEMA DE ESTIMATIVAS DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA, 2017. Emissões Totais. Acessível em: http://plataforma.seeg.eco.br/total_emission.

Silva, J. F. B. A., Rebouças, S. M. D. P. e M. C. S. Abreu, 2013. A influência dos indicadores de sustentabilidade no desenvolvimento dos países da América Latina. In: 15° Congresso de Gestão de Tecnologia Latino-Iberoamericano, Porto.

Silva, L. e E. R. V. Lima, 2017. Índice de sustentabilidade da dimensão ambiental da bacia hidrográfica do Rio Banabuiú, CE. Espaço Aberto, v. 7, n. 1: 71-85.

SNIS - SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO, 2015. Diagnósticos dos Serviços de Água e Esgotos – 2010. Acessível em: http://www.snis.gov.br/diagnostico-agua-e-esgotos/diagnostico-ae-2010.

Stanton, E. A., 2007. The human development index: a history. Working Paper Series, n. 127. University of Massachusetts Amherst.

Teixeira, M. D. J., Sousa, L. V. C. e A. M. M. Faria, 2017. Bem-estar fundamental e econômico: uma análise crítica do PIB e dos indicadores de sustentabilidade. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 6, n. 1: 4-40.

Toni Junior, C. N., 2013. Análise de Indicadores Metodológicos de Sustentabilidade Socioambiental. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista.

Toni Junior, C. N., 2010. Análise do IDH do Brasil, de suas regiões e de outros países: um enfoque comparativo. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de São Carlos.

Veiga, J. E., 2006. Neodesenvolvimentismo: quinze anos de gestação. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 3: 83-94.

Vicini, L., 2005. Análise multivariada da teoria à prática. Monografia (Especialização em Estatística e Modelagem Quantitativa). Universidade Federal de Santa Maria.

Zhou, P., Ang, B.W. y D. Zhou, 2010. Weighting and aggregation in composite indicator construction: a multiplicative optimization approach. Social Indicators Research, v. 96, n. 1: 169-181.

Publicado

2020-04-25