Os Incentivos Fiscais aos Agrotóxicos

Estimativa da Renúncia de ICMS em 2006

  • Lucas Neves da Cunha Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Wagner Lopes Soares Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE
Palavras-chave: agrotóxicos, incentivos fiscais, ICMS, agricultura, agronegócio

Resumo

Os incentivos fiscais ao uso de agrotóxicos foi investigado para se estimar a desoneração fiscal sobre tais insumos. A partir dos dados do censo agropecuário de 2006 e das estatísticas da Secretaria de Comércio Exterior referentes àquele ano foi possível verificar a despesa por estado e estimar a renúncia fiscal de ICMS, que foi de 740 milhões de dólares, o que equivale a 2,925 bilhões de reais em valores de 2018. As legislações tributárias das 27 unidades da federação foram estudadas com o fim de se sistematizar as alíquotas, bases de cálculo, hipóteses de incidência e benefícios fiscais concedidos a esses insumos. A renúncia de ICMS foi analisada no ano de 2006 a partir da conjugação dos dados da Secex com os do censo agropecuário. Para se obter o valor de referência para estimar a renúncia, a despesa declarada ao censo foi subtraída pelos valores importados, sendo a diferença positiva, esta foi considerada operação interna e sendo negativa, somente a despesa de importação foi considerada. Por último propõe-se o reestabelecimento da função extrafiscal dos tributos a fim de mitigar as externalidades negativas causadas pelos agrotóxicos e contribuir com a saúde financeira dos estados e do Distrito Federal.

Referências

Andrade, M. J., 1995. Economia do meio ambiente e regulação: análise da legislação brasileira sobre agrotóxicos. Escola Brasileira de Economia e Finanças Públicas – FGV, Rio de Janeiro.
Barbosa Junior, R. C., Coca, E. L. F., 2015. Conflitos Entre O Campesinato E O Agronegócio No Brasil: Os Planos-Safra 2015-2016. Eutopía. Revista De Desarrollo Económico Territorial, Vol.8, 11 - 27. Disponível em https://doi.org/10.17141/eutopia.8.2015.1828.
Brasil. Lei 9.294 de 15 de julho de 1996. Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do § 4° do art. 220 da Constituição Federal. Lex: Legislação Federal. Brasília, DF.
_______. Secretaria da Receita Federal, 2014. Centro de estudos tributários e aduaneiros. Demonstrativos dos gastos tributários, bases efetivas – 2014, série 2012 a 2017. Brasília, DF.
Bull, D., Hathaway, D., 1986 Pragas e venenos: agrotóxicos no Brasil e no terceiro mundo. Petrópolis: Vozes/Oxfam/Fase.
Food and Agriculture Organization (FAO), International Fertilizer Industry Association (IFA), 1999 Fertilizer Strategies. Rome and Paris.
Gomes, C. S., 2017. O mercado de cigarros no Brasil: uma análise da política tributária e seus efeitos sobre o mercado de 2000 a 2006. UFRJ: Rio de Janeiro.
Heredia, B., Palmeira, M., Leite, P. S., 2010. Sociedade e economia do “agronegócio” no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 25, 160 - 176.
Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), 2017. Índices de exportação do agronegócio. Esalq-USP: São Paulo.
Ormond, J. G. P., 2006. Glossário de termos usados em atividades agropecuárias, florestais e ciências ambientais. Rio de Janeiro: BNDES.
Porto M. F.; Soares W. L., 2012. Modelo de desenvolvimento, agrotóxicos e saúde: um panorama da realidade agrícola brasileira e propostas para uma agenda de pesquisa inovadora. Revista brasileira de Saúde ocupacional. Vol. 37: 17-50, São Paulo.
Rodrigues, R., 2007. Agronegócio. Cadernos FGV Projetos. Vol. 4 ano 2, Rio de Janeiro.
Thomas, J. M., Callan, J., 2016. Capítulo 4 – Soluções convencionais para Problemas Ambientais: A Abordagem de Comando e Controle, em Thomas, J. M., Callan, J. Economia ambiental: aplicações, políticas e teoria. Tradução: Noveritis do Brasil. Revisão técnica: Maria Cecilia Trannin, ed. 2, São Paulo, SP: Cengage Learning.
___________________________. Capítulo 5 – Soluções Econômicas para Problemas Ambientais: A Abordagem de Mercado, em Thomas, J. M., Callan, J. Economia ambiental: aplicações, políticas e teoria. Tradução: Noveritis do Brasil. Revisão técnica: Maria Cecilia Trannin, ed. 2, São Paulo, SP: Cengage Learning.
Publicado
2020-01-16