Perfil regional e setorial das emissões brasileiras de gases de efeito estufa entre 1990 e 2017

Autores

  • Luiz Gustavo Fernandes Sereno Universidade Estadual de Campinas (IE-UNICAMP)
  • Daniel Caixeta Andrade Universidade Federal de Uberlândia (IERI-UFU)

Palavras-chave:

Mudança Climática, Acordo de Paris, Especificidades regionais, Regiões Brasileiras, Governança Ambiental

Resumo

O presente trabalho buscou salientar as diferenças regionais das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) no Brasil entre 1990 e 2017. A partir de uma análise descritiva dos dados de emissões de GEE em toneladas equivalentes de CO2 GTP, observa-se uma redução nas emissões em nível nacional para todo o período, especificamente guiada pelo desempenho do setor de mudanças no uso da terra. Destaca-se a importância do desempenho deste setor para as regiões Norte (NO) e Centro-Oeste (CO), sobretudo entre 2004 e 2009. O Sudeste (SE) sobressai-se como a única região cujas emissões não se encontram predominantemente no setor de mudanças no uso da terra. Todavia, nesta região há forte crescimento no setor de energia relacionado às atividades de extração mineral. Há, ainda, tendência de homogeneização das emissões entre as regiões e os setores de emissão, muito embora o principal setor permaneça como sendo o de mudanças no uso da terra. Por fim, o trabalho alerta para uma reversão da tendência de níveis mais baixos de emissão com um enfraquecimento da legislação ambiental.

Referências

APROSOJA Brasil – Associação Brasileira dos Produtores de Soja, 2019. Carta de Palmas. Aprosoja, Palmas.

BRASIL, 2015. Pretendida Contribuição Nacionalmente Determinada (Indc) Para Consecução do Objetivo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Brasília.

CEPAL - Comissão Econômica para América Latina E Caribe, 2015. Relatório Nacional de Monitorização da Eficiência Energética do Brasil. CEPAL, Santiago do Chile.

EFCTC - European Fluorocarbons Techincal Committee, 2014. Global Temperature change Potential compared to Global Warming Potential. [Bruxelas], EFCTC.

EULER, A. M. C, 2016. O acordo de Paris e o futuro do REDD+ no Brasil. Cadernos Adenauer, Vol. 2, n. 17: 85-104.

FEARNSIDE, P. M., 2017. Business as Usual: A resurgence of deforestation in the Brazilian Amazon. Yale Environment, Vol. 360: 1-6.

FEARNSIDE, P. M., 2018. Challenges for sustainable development in Brazilian Amazonia. Sustainable Development, Vol. 26, n. 2: 141–149.

FEARNSIDE, P. M. e BARBOSA, R. I., 2003. Avoided deforestation in Amazonia as a global warming mitigation measure: The case of Mato Grosso. World Resource Review, Vol. 15, n. 3: 352–361.

FERREIRA, M. D. P. et al. Desmatamento Recente nos Estados da Amazônia Legal: uma análise da contribuição dos preços agrícolas e das políticas governamentais. Revista de Economia e Sociologia Rural, Vol. 53, n. 1: p. 91–108.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA/ INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2009. Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica: período 2005 – 2008. SOS Mata Atlância/INPE, São Paulo.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA/ INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2011. Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica: período 2008 - 2010, SOS Mata Atlância/INPE, São Paulo.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA/ INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2016. Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica: período 2014 - 2015, SOS Mata Atlância/INPE, São Paulo.

GARDNER, T. A. et al., 2019. Transparency and sustainability in global commodity supply chains. World Development, Vol. 121: 163–177.

GARLET, A.; CANTO, J. L. e DE OLIVEIRA, P. R. S., 2018. O manejo florestal comunitário da caatinga em assentamentos rurais no estado da Paraíba. Ciencia Florestal, Vol. 28, n. 2: 735–745.

GIRARDI, E. P., 2016. Mato Grosso: expressão aguda da questão agrária brasileira. Confins, Vol. 27.

HASENCLEVER, L.; AZEVEDO FILHO, E. T. e PIQUET, R. P. da S., 2017. Distribuição territorial das ocupações geradas pela atividade de petróleo e gás e suas qualificações no Brasil, 2003-13. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Vol. 13, n. 3: 223–251.

IBGE - Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística, 2017. Sistema de Contas Regionais (SCR).

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Coordenação Geral De Observação Da Terra, 2018. Incremento anual de área desmatada no Cerrado Brasileiro, INPE.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change, 2014. Climate Change 2014: Synthesis Report, IPCC, Genebra.

LUCENA, A. F. P. et al., 2014. Climate policy scenarios in Brazil: A multi-model comparison for energy. Energy Economics, Vol. 56: 564–574.

MELLO, N. G. R. de e ARTAXO, P., 2017. Evolução do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal. Revista do Instituto de Estudos BRasileiros, Vol. 66: 108–127.

OC - Observatório do Clima, 2017.a. Nota Metodológica: Setor Mudança de uso do solo e floresta (SEEG).

OC - Observatório do Clima, 2017.b. Nota Metodológica: Setor Agropecuário (SEEG).

OC - Observatório do Clima, 2018.a. Sistema de Estimativas de Gases de Efeito Estufa (SEEG V6.0).

OC - Observatório do Clima, 2018.b. Emissões de GEE no Brasil de 1970 a 2016. OC.

PORTUGAL JÚNIOR, P. dos S.; REYDON, B. P. e PORTUGAL, N. dos S., 2015. A questão ambiental e regional sob o enfoque espacial- sistêmico-integrado : uma proposta para o desenvolvimento sustentável. Leituras de Economia Política, Vol. 23: 1–28.

ROCHEDO, P. R. R. et al., 2018. The threat of political bargaining to climate mitigation in Brazil. Nature Climate Change, Vol. 8, n. 8: 695–698.

VERÍSSIMO, M. P., 2016. Perfil exportador e Crescimento Econômico dos estados da região sudeste brasileira. Revista de Economia do Nordeste, Vol. 47, n. 1: p. 65–80.

VIERA FILHO, J. E. R., 2016. A fronteira agropecuária brasileira: redistribuição produtiva, efeito poupa-terra e desafios estruturais logísticos. In: Agricultura, transformação produtiva e sustentabilidade. IPEA, Brasília: 89–108.

WDI – World Development Indicators, 2019. GDP (constant 2010 US$).

Downloads

Publicado

2020-03-05