TECNOLOGIAS DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA

IMPACTOS NA RENDA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL AGRÍCOLAS

Autores

  • Ahmad Saeed Khan Universidade Regional do Cariri (URCA), Brasil
  • Maria Josiell Nascimento da Silva Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ) - Universidade de São Paulo (USP)
  • Eliane Pinheiro de Sousa Universidade Regional do Cariri (URCA)
  • Patrícia Verônica Pinheiro Sales Lima Universidade Federal do Ceará (UFC)

Palavras-chave:

Reaproveitamento de Água, Irrigação, Agricultores Familiares, Semiárido, Tecnologias Sociais

Resumo

As tecnologias sociais de reaproveitamento de água da chuva e dos efluentes domésticos para irrigação surgem como uma alternativa para tornar os agricultores familiares do semiárido menos vulneráveis à seca. Essas tecnologias sociais têm como objetivo melhorar a renda e disseminar a sustentabilidade na agricultura. Desta forma, este trabalho analisa os efeitos dessas tecnologias de reaproveitamento de água sobre a renda e a sustentabilidade agrícola da produção dos agricultores familiares no semiárido cearense. Para atender esse objetivo, utilizou-se o método de Propensity Score Matching. Os resultados encontrados foram positivos, evidenciando o potencial dessas tecnologias sociais para melhorar as condições de convivência dessa população com o Semiárido.

Biografia do Autor

Ahmad Saeed Khan, Universidade Regional do Cariri (URCA), Brasil

Pesquisador Visitante da Universidade Regional do Cariri (URCA).

Maria Josiell Nascimento da Silva, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ) - Universidade de São Paulo (USP)

Doutoranda em Economia Aplicada na Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ) - Universidade de São Paulo (USP).

Patrícia Verônica Pinheiro Sales Lima, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Professora da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

Aguiar, D. A. D., 2020. Direitos de propriedade e conservação do solo: algumas evidências para o Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 31, n. 1: 73-82.

Alencar, M. O.; Justo, W. R.; Alves, D. F., 2018. Os efeitos do programa “Uma Terra e Duas Águas (P1+2)” sobre a qualidade de vida do pequeno produtor rural do Semiárido nordestino. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v.49, n.1: 165-180.

Altieri, M. A. E Koohafkan, P., 2008. Enduring Farms: Climate Change, Smallholders and Traditional Farming Communities. Penang, Malaysia: Third World Network.

ASA – ARTICULAÇÃO DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, 2019. Disponível em: <http://www.asabrasil.org.br>. Acesso em: 28 out. 2019.

Becker, S. O.; Ichino, A., 2002. Estimation of Average Treatment Effects Based on Propensity Score. The Stata Journal, v. 2, n. 4: 358-377.

Bispo, R, de S. et al., 2020. Construindo a convivência com o semiárido mediante a formação dos pequenos agricultores. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7:. 45528-45535.

Brito, S. S. B. et al., 2017. Frequency, duration and severity of drought in the Semiarid Northeast Brazil region. International Journal of Climatology, v.38, n. 2.

Caliendo, M.; Kopeinig, S., 2008. Some practical guidance for the implementation of propensity score matching. Journal of Economic Surveys, v. 22, n.1: 31-72.

Castro, C. N., 2012. Agricultura no Nordeste brasileiro: oportunidades e limitações ao desenvolvimento. Texto para discussão. Brasília: IPEA.

Castro, C. N.; Pereira, C. N., 2017. Agricultura familiar, assistência técnica e extensão rural e a política nacional de Ater. Texto para discussão. Brasília: IPEA.

Chalita, M. A. N., 2006. Agricultura familiar e seus novos vínculos com a prática econômica. Agric., São Paulo, v. 53, n. 2: 125-139.

Claessens, L. et al., 2012. A method for evaluating climate change adaptation strategies for small-scale farmers using survey, experimental and modeled data. Agricultural Systems, v. 111: 85-95.

Cunha, D. A. et al., 2013. Irrigação como estratégia de adaptação de pequenos agricultores às mudanças climáticas: aspectos econômicos. Revista de Economia e Sociologia Rural. Piracicaba, v. 51, n. 2: 369-386.

Damasceno, N. P.; Khan, A. S.; Lima, P. V. P. S., 2011. O impacto do Pronaf sobre a sustentabilidade a agricultura familiar, geração de emprego e renda no estado do Ceará. Revista de Economia e Sociologia Rural. Piracicaba, v.49, n.1: 129-156.

Deressa, T. T. et al., 2009. Determinants of farmers’ choice of adaptation methods to climate change in the Nile Basin of Ethiopia. Global environmental change, v. 19, n. 2: 248-255.

Fávero, P., 2014. Métodos quantitativos com Stata: procedimentos, rotinas e análise de resultados. 1 ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fonseca, J. S.; Martins, G. A., 1996. Curso de estatística. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 320p.

Gandra, J. M. F. V., 2017. O impacto da educação em tempo integral no desempenho escolar: uma avaliação do programa mais educação. 2017. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Gnadlinger, J.; Silva, A. S.; Brito, L. T. L., 2008. Programa Uma Terra e Duas Águas para um semiárido sustentável. 2008. Disponível em: <https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/159651/1/OPB1516.pdf>. Acesso em: 04/07/2020.

Gondim, J. et al., 2017. A seca atual no Nordeste brasileiro – impactos sobre os recursos hídricos. Parc. Estrat., Brasília, v. 22, n. 44: 277-300.

Harvey, C. A. et al., 2018. Climate change impacts and adaptation among smallholder farmers in Central America. Agriculture & Food Security, v. 7, n. 57.

IPECE – INSTITURO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ, 2017. Perfil básico municipal. Fortaleza. Disponível em < https://www.ipece.ce.gov.br/perfil-municipal-2017/> acesso em 04/06/2019

Jalfim, F.; Santiago, F. S. O sistema bioágua familiar. 2017. Disponível em: <https://www.cta.int/en/article/o-sistema-bio%C3%A1gua-familiar-sid0509a8dda-3b11-4382-af93-680d4c6d7bc0>

Leal, L. et al., 2020. Quintais produtivos como espaços da agroecologia desenvolvidos por mulheres rurais. Perspectivas em Diálogo: revista de educação e sociedade, v. 7, n. 14: 31-54.

Maia, G. S.; Khan, A. S.; Sousa, E. P., 2013. Avaliação do impacto do programa de reforma agrária federal no Ceará: um estudo de caso. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v.17, n. 3: 379-398.

Malvezzi, R., 2007. Semi-Árido: uma visão holística. Coleção Pensar o Brasil.

Marengo, J. A., 2008. Água e mudanças climáticas. Estudos Avançados, São Paulo, v. 22, n. 63: 83-96.

Marengo, J. A.; Bernasconi, M., 2015. Regional differences in aridity/drought conditions over Northeast Brazil: present state and future projections. Climate Change, doi-org.ez11.periodicos.capes.gov.br/10.1007/s10584-014-1310-1

Marengo, J. A. et al., 2018. Climatic characteristics of the 2010-2016 drought in the semiarid Northeast Brazil region. An. Acad. Bras. Ciênc., Rio de Janeiro, v. 90, n. 2, supl. 1: 1973-1985.

Marengo, J. A.; Torres, R. R.; Alves, L. M., 2017. Drought in Northeast Brazil-past, present, and future. Theoretical and Applied Climatology, v. 129. https://doi.org/10.1007/s00704-016-1840-8

Neves, R. S. et al., 2010. Programa Um Milhão de Cisternas: guardando água para semear vida e colher cidadania. Revista Agriculturas, v. 7, n. 3: 7-11.

Rodrigues, A. S., 2016. Avaliação do impacto do Projeto Hora de Plantar sobre a sustentabilidade dos agricultores familiares da Microrregião do Cariri (CE): o caso o híbrido. Tese de doutorado (PRODEMA-UFC).

Rosenbaum, P. R.; Rubin, D., 2002. Observational Studies. New York: Springer.

Rosenbaum, P. R.; Rubin, D., 1983. The central role of the propensity score in observational studies for causal effects. Biometrika, v. 70.

Santiago, F. et al., 2015. Manual de implantação e manejo do sistema bioágua familiar: reuso de água cinza doméstica para a produção de alimentos na agricultura familiar do semiárido brasileiro. Carnaúbas: ATOS.

Santos, C. F. et al., 2016. A contribuição da Bioágua para a segurança alimentar e sustentabilidade no Semiárido Potiguar brasileiro. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 7: 100-113.

Santos Filho, M. E. C.; Araujo, M. T. L., 2018. Aspecto para implantação de sistemas de reuso de águas cinzas em comunidades rurais no estado do Ceará – estudo de caso: projeto São José III. In: VI Simpósio em Economia Rural: políticas públicas e geração de renda no Nordeste rural. Fortaleza.

Santos, K. F., 2013. Estudo dos impactos gerados pelas tecnologias sociais de gestão hídrica sobre a sustentabilidade do pequeno agricultor no semiárido cearense: o caso dos municípios de Cariús e Saboeiro. Dissertação (Mestrado em Economia Rural) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Santos, R., 2017. Trabalho e educação entre jovens de 15 a 29 anos residentes no campo: desafios à ampliação da escolaridade. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 98, n. 250: 596-623.

Silva, S. A. et al., 2017. Saneamento básico e saúde pública na bacia hidrográfica do Riacho Reginaldo em Maceió, Alagoas. Engenharia Sanitária Ambiental, Rio de Janeiro, v. 22, n. 4: 699-709.

Sousa, A. B.; et al., 2017. Tecnologias sociais de convivência com o Semiárido na região do Cariri cearense. Brasília: Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 34, n. 2: 197-220.

Souza Filho, H. M.; et al., 2007. Agricultura familiar e tecnologia no Brasil: características, desafios e obstáculos. Disponível em: . Acesso em: 29/07/2019.

Thathsarani, U. S.; Gunaratne, L. H. P., 2018. Constructing and Index to Measure the Adaptive Capacity to Climate Change in Sri Lanka. Procedia Engineering, v. 212: 278-285.

Downloads

Publicado

2021-05-02